sábado, 1 de maio de 2010

Tritão, um planeta capturado

Imagem: Astronoo

Mesmo depois que Plutão foi desclassificado pelos astrônomos como planeta do sistema solar, os adeptos das teorias de Zecharia Sitchin sobre a Volta de Nibiru não souberam assimilar a notícia à sua teoria baseada nos vestígios da literatura suméria, e quando houve a notícia de que a descoberta de Éris pelo astrônomo californiano Michael Brown poderia representar a descoberta do planeta dos Annunaki (ou "planeta X"), tampouco se entendeu bem.

Euzinho da silva, Eduardo Bayer, nas planuras do Rio Grande do Sul, tive uma curiosa participação na descoberta de Éris. Dias antes, e até foi documentado pois quis contá-lo na lista "Terramistica" de que participava, tive um curioso sonho. Estava com uma tacha dourada, esses chamados percevejos, virado de cabeça para baixo, como uma antena minúscula, sobre uma Bíblia que tinha sobre as pernas, e lia assim esse trecho: "e um grande planeta desapare ..." (as letras desapareciam). Eu me indagava de como podia ser isto das letras terem também desaparecido e uma voz me explicava que, junto de Netuno, havia algo que os cientistas ainda não se haviam percatado, mas que era uma verdadeira bomba armada. E quando isso acontecesse, todo o sistema seria movido e transformado.

Ora, o que tenho eu a ver com visões celestiais, minúsculo aqui na face do planeta Terra? Mas por aqueles dias um hacker espanhol entrou no site do observatório da Califórnia e divulgou a descoberta de Brown sobre Éris, na época ainda não nomeado, obrigando o descobridor a declarar-se de uma vez à mídia mundial. Eu achei curioso saber sobre a órbita excêntrica do novo planeta, e escrevi um mail para Michael Brown, indagando se ele passaria próximo a Netuno, pois tivera este sonho... Surpreendentemente, o cientista me respondeu e ainda conversamos umas duas vezes. Ficou claro que as observações preliminares eram insuficientes para traçar a equação da elipse desenvolvida por Éris, e ainda tenho minhas dúvidas.

Os fatos sobre Tritão são de que este não é um satélite de Netuno e sim um planeta que se moveu para a sua órbita durante alguma catástrofe anterior (a destruição de Tiamat e o surgimento da Terra e do cinturão de asteróides?). Tritão é um planeta, o mais frio do sistema solar, e gira em sentido contrário ao sentido em que gira Netuno, ficando claro que um dia estes virão a colidir. Ora, Netuno é um gigante, que marca o limite entre os planetas próximos ao Sol e os mais distantes, exercendo papel de equilíbrio de massa nessa distribuição. Terá sido aquele meu sonho premonitório? E nesse caso, qual minha função nesse teatro do universo?

Mais sobre Tritão, leiam em Solar Views. Também em Sumerian Civilization and Buddhist Lore

Um comentário:

Art Som disse...

Oque o senhor disse foi incrivel e bem especifico.

mas quando Tritão e Netuno irão coledir?????